Notícias

Financeira Omni compra R$ 2,35 bi em carteiras de veículos

Com a retração do mercado automotivo, a Omni, especializada na concessão de crédito para a compra de veículos usados, decidiu atuar mais ativamente na ponta de cobrança e recuperação de financiamentos já existentes. A financeira fechou recentemente a aquisição de duas carteiras do crédito, com valor de face total de R$ 2,350 bilhões. O valor dos investimentos não foi revelado.

A maior aquisição foi a da carteira de veículos do Banco Pecúnia, com valor de face de R$ 1,5 bilhão, entre créditos a vencer e inadimplentes. A negociação faz parte da decisão do banco francês Société Générale, controlador do Pecúnia, de encerrar as atividades de financiamento ao consumo no Brasil.

As conversas para a compra da carteira, que envolveram um processo competitivo com outras instituições, começaram no ano passado, segundo Nelson Rosa, diretor da Omni. "Trata-se de um negócio que a gente conhece [veículos usados], nas mesmas regiões onde atuamos", afirma.

A cobrança dos empréstimos será realizada pela atual estrutura da Omni, que conta com correspondentes espalhados em diversas localidades, e praticamente sem aumento de custos, segundo Rosa. A financeira também considerou no preço pago uma piora no cenário macroeconômico e alta na inadimplência. Mas o diretor da Omni diz esperar um movimento menos acentuado do que no último ciclo de alta dos calotes, em 2011 e 2012.

O investimento nos créditos do Pecúnia foi realizado em parceria com um investidor estrangeiro especializado em aquisição de carteiras, cujo nome não foi revelado. O parceiro entrará como investidor de um fundo de recebíveis (Fidc) como cotista sênior, o último a sofrer perdas em caso de problemas. A Omni investirá nas cotas subordinadas.
Com a compra da carteira, a Omni registrará um crescimento de pouco mais de R$ 500 milhões nos ativos - referente ao volume dos empréstimos em curso normal. O valor representa um incremento da ordem de 30% na carteira atual, de R$ 1,5 bilhão. O segundo portfólio comprado pela Omni, com valor de face de R$ 850 milhões e cujo vendedor não foi revelado, não terá impacto contábil por ser composta apenas por créditos vencidos.

O diretor da Omni diz que a aquisição de portfólios não faz parte de uma estratégia de crescimento dos ativos. "Vamos analisar esses negócios de forma oportunística", afirma. A expectativa é que os ativos da Omni voltem ao patamar anterior em até dois anos. A financeira deve registrar uma queda real (descontada a inflação) da carteira de crédito própria neste ano com a demanda menor por financiamentos e o conservadorismo na concessão de crédito, de acordo com o executivo.

Fonte: Valor Econômico

Notícias relacionadas

2017-07-01 09:00:00

Concorrente do Nubank paga você para usar cartão de crédito

Programa de fidelidade baseado no cashback pode ser vantajoso para quem coloca os gastos do mês no crédito. Leia mais.
2017-06-29 11:45:00

O segredo da virada da Avante era tão novo quanto óbvio: gastar sola de sapato

Em vez de lojas físicas, a Avante percebeu que poderia ser muito mais efetiva espalhando agentes, a pé, nas comunidades. Leia mais.
2017-03-10 05:20:00

Fintech Trigg disputa cartões de crédito em parceria com Omni

A meta é alcançar 1 milhão de cartões ativos em cinco anos; no dia do lançamento a empresa recebeu 1 mil cadastros. Leia mais.