Notícias

Está endividado? Seu carro pode garantir empréstimo barato, mas cuidado

Quem está endividado e tem um carro pode usá-lo de três formas para diminuir o rombo no orçamento: virar motorista de aplicativo de transporte, vender o carro ou usá-lo como garantia. As alternativas vão depender do tamanho da dívida.

Para quem só precisa de uma folga no orçamento, é possível tornar-se um motorista de aplicativo de transporte, como Uber, WillGo e Cabify, por exemplo. "Para quem tem um horário livre, pode render um bom dinheiro extra", diz Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor-executivo da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Se as dívidas estão corroendo as finanças, a melhor alternativa, segundo Oliveira, seria vender o carro, quitar parte ou toda a dívida, e ainda se livrar das despesas com o automóvel. "Este seria o melhor dos mundos", diz.

 

Carro em garantia

Quem não pode se desfazer do carro tem a opção de usá-lo como garantia para conseguir um empréstimo, o chamado refinanciamento de veículo.

Por causa da garantia, os juros são mais baixos do que os de um empréstimo pessoal comum e um pouco maiores do que o empréstimo consignado.

Segundo Oliveira, a taxa média do empréstimo consignado em julho, coletada pela Anefac, foi de 2,20% ao mês e a do empréstimo pessoal, de 4,59% ao mês. "A taxa média do refinanciamento de veículos é 3% ao mês. Pode haver taxas mais baixas para clientes especiais, mas também podem ser até mais altas", diz.

Segundo Nicola Tingas, consultor da Acref (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento), ainda não há um levantamento específico sobre a concessão desse crédito, mas a entidade notou um aumento na procura a partir deste ano, em decorrência do aumento do desemprego e da crescente dificuldade de pagamento de prestações. 

 

Se não pagar, perde o carro

A instituição financeira empresta a juros menores porque, se a pessoa não pagar, é possível acionar a garantia que é o carro e vender o veículo para pagar a dívida. Ou seja, se não pagar o empréstimo, a pessoa perde o carro para o banco.

Por isso, Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, diz que é preciso muita cautela ao decidir tomar esse empréstimo. "Não pode ter visão de curto prazo e ficar tentado pelo juro mais baixo e pegar esse dinheiro para pagar festa de casamento ou fazer viagem."

UOL consultou alguns bancos e financeiras para saber as condições deste empréstimo. Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander e Banco Volkswagem não realizam essa operação. A Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras) informou que os bancos das montadoras não trabalham com esse tipo de empréstimo. As informações foram passadas pelas assessorias de imprensa:

Banco do Brasil

  • Taxa de juros: a partir de 1,94% por mês
  • Valor mínimo do empréstimo: R$ 2.000
  • Valor máximo do empréstimo: até 70% do valor do veículo (pela tabela Molicar)
  • Prazo para pagar: até 60 meses
  • Tipo de veículo permitido: carros com até 5 anos de fabricação

Banco Pan

  • Taxa de juros: varia de acordo com o prazo e ano do veículo
  • Valor mínimo do empréstimo: R$ 2.000
  • Valor máximo do empréstimo: até 90% do veículo (tabela Molicar)
  • Prazo para pagar: até 60 meses
  • Tipo de veículo permitido: carros de até 10 anos, caminhões de até 15 anos

Bradesco

  • Taxa de juros: a partir de 1,50% por mês
  • Valor mínimo do empréstimo: não há
  • Valor máximo do empréstimo: até 60% do veículo (tabela Fipe)
  • Prazo para pagar: até 50 meses
  • Tipo de veículo permitido: carros de até 10 anos

BV Financeira

  • Taxa de juros: A partir de 1,96% por mês
  • Valor mínimo do empréstimo: R$ 1.500
  • Valor máximo do empréstimo: até 80% do veículo (tabela não informada)
  • Prazo para pagar: até 48 meses
  • Tipo de veículo permitido: carros e caminhões até 19 anos

Omni Financeira

  • Taxa de juros:  de 3,5% a 5,5% por mês. dependendo do prazo e do ano do veículo
  • Valor mínimo do empréstimo: não há
  • Valor máximo do empréstimo: até 70% do veículo (tabela Fipe)
  • Prazo para pagar: até 36 meses (caminhões) ou 48 meses (carros)
  • Tipo de veículo permitido: carros e caminhões fabricados a partir de 1970

Fonte: UOL Economia

Notícias relacionadas

2017-03-10 05:20:00

Fintech Trigg disputa cartões de crédito em parceria com Omni

A meta é alcançar 1 milhão de cartões ativos em cinco anos; no dia do lançamento a empresa recebeu 1 mil cadastros. Leia mais.
2017-02-21 16:20:00

Trigg lança desafio inédito para empreendedores sociais

Conheça o programa de educação e pré-aceleração de negócios sociais para quem sonha em empreender de um jeito diferente. Leia mais.
2017-01-30 09:00:00

Microcrédito de impacto

Parte da população brasileira é composta por microempresários não bancarizados. Para suprir esta lacuna nasceu a Avante. Leia mais.