Notícias

Crise ameaça crédito com garantia, mais barato para o consumidor

 


 

A desvalorização dos preços de imóveis e de veículos deve afetar as concessões de empréstimos com garantia neste ano. A linha costuma ter taxas menores do que as do consignado, conhecido como crédito barato. 

Como bancos e financeiras tomam como base o valor de mercado dos bens para calcular o quanto podem emprestar, o montante que o consumidor pode tomar deve cair conforme o país mergulha na recessão. 

As duas linhas que podem ser afetadas são "home equity" —crédito com garantia de imóvel— e refinanciamento de veículos. 

A crise afeta a dinâmica de oferta e demanda nos dois mercados. Com aumento do desemprego, queda na renda, crédito mais caro e sem confiança, os proprietários de imóveis e veículos encontram mais dificuldade de vendê-los pelo valor desejado. Para fazer negócio, precisam baixar o preço, afetando em cadeia todos os valores de imóveis parecidos na região. 

Para quem quer tomar crédito dando esses bens como garantia, isso significa menos dinheiro no bolso.
 

LINHAS DE CRÉDITO

Veja comparação entre taxas das principais modalidades no mercado; Empréstimo de R$ 5.000 por 24 meses

 

Linha de crédito Taxa, em % ao ano Valor final, em R$
Home equity 24,5 7.750,13
Empréstimo consignado 28,8 8.294,72
Refinanciamento de veículos 34,5 9.045,13
Empréstimo pessoal 50,3 11.295,05
Cheque especial 287,0 74.884,50
Cartão de crédito 431,4 141.192,98


"O mercado está desaquecido. Para calcular o crédito, tomamos como base a tabela Fipe, que tem a cotação dos veículos. A crise afeta esses valores, porque a tabela reflete as transações no mercado", afirma Tadeu Silva, vice-presidente da Omni financeira, que oferece refinanciamento de veículos. 

"Tem muita oferta, muita gente entregando o carro, e isso derruba o preço. De 2014 para 2015, a inadimplência subiu 12% nesse produto." 

No caso dos imóveis, esse cenário pode ocorrer em regiões que tenham registrado muitos lançamentos por preços altos nos últimos anos, avalia Laércio Roberto de Souza, gerente geral da área imobiliária do Banco Daycoval. "Pela diminuição da procura de imóveis para compra, pode haver acomodação do preço de imóveis de até 5%", acrescenta Souza. 
 

TAXAS MAIS BAIXAS 

Os empréstimos com garantia normalmente oferecem taxas menores porque, ao ter um bem como garantia, o banco aceita reduzir os juros cobrados. Eles partem do princípio de que, em caso de calote, poderão tomar o imóvel ou o carro de volta por meio da alienação fiduciária, já que a posse do bem é transferida para a instituição financeira. 

No caso do "home equity", é possível tomar até 60% do valor do imóvel, de acordo com normas do Banco Central. No refinanciamento de veículos, o montante pode chegar a 100% do preço de mercado do carro. 

Fonte: Folha de São Paulo

Notícias relacionadas

2017-10-03 11:05:00

Concorrente do Nubank permite planejar saque do cartão de crédito

Aplicativo da empresa oferece o recurso de escolher quanto você quer sacar e ver quanto terá que pagar Leia mais.
2017-10-03 02:00:00

Presídios e microcrédito humanizados disputam Prêmio Empreendedor 2017

Vencedores das duas categorias do concurso serão conhecidos em 6 de novembro, em SP. Leia mais.
2017-09-27 04:00:00

Fitch eleva Rating da Omni para ‘BBB(bra)’; Perspectiva Estável

Fitch eleva o Rating Nacional de Longo Prazo para ‘BBB(bra)’ e afirma o Rating Nacional de Curto Prazo em ‘F3(bra)’. Leia mais.